Venda de armamentos militares cresce pela primeira vez depois de 5 anos

Nesta semana, o Instituto Internacional de Investigação para a Paz de Estocolmo (Sipri, sigla em inglês) publicou sua avaliação anual do mercado global de armamentos. O levantamento realizado mostra que as empresas do setor bélico venderam cerca de U$1 bilhão de dólares por dia em 2016, isso significa um aumento de 1,9% em relação ao ano anterior.

Historicamente, os EUA se mantêm na liderança como o principal mercado armamentista do mundo,  tendo obtido um crescimento de 4% no ano passado, sendo impulsionado, principalmente, pelas operações militares no oriente médio, assim como pela venda de  sistemas militares para países aliados.  Outro fator importante a ser destacado, é o recente aumento das tensões entre a Coreia do Norte e os EUA, que levaram o governo americano a investir intensamente em seus arsenais de guerra.

O mercado nacional

O Brasil é o único país da América Latina que aparece na avaliação, com uma empresa entre as 100 que mais vendem armas. A Embraer registrou 15% de suas vendas no setor militar. A companhia vendeu US$ 930 milhões em armas no ano passado, superando os US$ 839 de 2015 – o que a fez saltar da 91ª para a 81ª posição na lista.