Executivos reconhecem a segurança cibernética como a chave para alavancar os negócios

Texto traduzido e adaptado de “Executives now recognize cybersecurity as a key business driver

A segurança cibernética é agora reconhecida como um dos principais impulsionadores de negócios da alta direção, de acordo com um novo relatório da Radware.

Executivos que participaram da pesquisa descobriram que os quatro principais impactos de um incidente de segurança foram perda de clientes (45%), perda de reputação de marca (44%) e perda de receita ou operacional (32% cada).

Cibersegurança como um problema de negócios

O predomínio da segurança cibernética como uma questão de negócios se estende ao conselho, com a maioria (72%) dos executivos relatando que a segurança da informação é um item da agenda para cada reunião do conselho.

Tudo isso com um bom motivo, pois os entrevistados estimaram um custo médio por ataque em cerca de US$ 4,6 milhões e a proporção de entrevistados que estima que o custo total de ataques cibernéticos para sua organização é mais de US$ 10 milhões, quase dobrou em frequência de 2018 (7%) para 2019 (13%).

A segurança é uma parte fundamental do marketing

Ao mesmo tempo, os clientes querem entender o que as empresas fizeram para proteger seus produtos e serviços, 75% dos executivos relatam que a segurança é uma parte fundamental de suas mensagens de marketing. A pesquisa aponta que 50% das empresas oferecem produtos e serviços de segurança dedicados a seus clientes. Além disso, 41% delas oferecem recursos de segurança como complementos em seus produtos e serviços, e outras 7% estão considerando a criação de serviços de segurança em seus produtos.

“Como as organizações gastaram bilhões digitalmente se transformando ao longo dos anos para criar pontos de acesso mais rápidos, fáceis e numerosos para seus clientes, elas também aumentaram sua vulnerabilidade em igual medida”, disse Anna Convery-Pelletier, CMO da Radware. “Embora a responsabilidade pela segurança cibernética continue a ser liderada pelo CIO e pelo CISO, ela também está sendo compartilhada por todo o C-Level. As questões de segurança agora influenciam a reputação da marca, a confiança da marca e a confiança do consumidor, o que força as organizações a fazer uma mudança fundamental no pensamento sobre o papel da segurança na experiência do cliente, no marketing e nas operações comerciais. ”

Proteção inadequada

Mas, enquanto o C-Level aumentou seu foco nos esforços de segurança cibernética, as empresas ainda têm um longo caminho a percorrer para se protegerem.

A maioria (70%) dos executivos seniores pesquisados na América do Norte e Europa relatou que sua empresa sofreu um ataque cibernético nos últimos doze meses, e 75% dos participantes pesquisados na EMEA dizem que suas redes são suscetíveis a ataques cibernéticos.

O caminho para uma segurança melhorada nem sempre é seguro.

À medida que as organizações ampliam seus esforços de transformação digital, que geralmente incluem a adoção da nuvem pública, 54% dos entrevistados relatam que melhorar a segurança das informações é uma das três principais razões para iniciar os processos de transformação digital. No entanto, 73% dos executivos indicam que tiveram acesso não autorizado a seus ativos de nuvem pública.

As violações de dados são mais comuns na Europa, apesar dos regulamentos do GDPR.

74% dos executivos europeus relatam ter sofrido uma violação de dados nos últimos 12 meses, em comparação com 53% nos EUA e 44% na APAC. Metade (52%) dos executivos na Europa experimentaram um incidente de autorrelato sob GDPR no ano passado.

Os bots continuam a impactar os negócios.

Os executivos estão discutindo bots em suas reuniões de administração. 53% afirmam ter encontrado uma receita reduzida com o site devido a bloqueios de estoque por parte de bots, 51% relatam bots distorcendo a análise de marketing e 36% falaram sobre abuso de contas de usuários ou informações de pagamento.

Investimentos em aprendizado de máquina e inteligência artificial estão crescendo.

A maioria dos entrevistados (82%) transferiu mais orçamento para aprendizado de máquina / IA nos últimos dois anos. Isso representa um foco contínuo na automação, pois apenas 71% disseram o mesmo em 2018. Regiões individuais relatam a alocação de uma média de 37% de seu orçamento de segurança para sistemas de segurança da IA (Américas 49%, EMEA 30% e APAC 31%).

Os clientes agem cada vez mais após uma violação.

Após uma violação de dados, os participantes da pesquisa relatam um churn médio de 30% dos clientes. Eles estimam o investimento médio para conquistar um cliente de quase US$ 100.000.