GSI elege Estratégia Nacional de Segurança Cibernética como módulo inicial para proteção da informação

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI/PR), órgão do governo brasileiro responsável pelo assessoramento do presidente sobre assuntos militares e/ou de segurança, considerou a área de proteção cibernética como sendo a mais crítica e atual a ser tratada. Então, em janeiro de 2019, foi eleita a Estratégia Nacional de Segurança Cibernética (ou E-Ciber) como o módulo inicial da estratégia nacional para a salvaguarda da informação, após ter contado com a participação de diversas entidades públicas e privadas do país.

A Política Nacional de Segurança da Informação (PNSI), instituída em 26 de Dezembro de 2018 pelo decreto nº 9.637, previu a implementação de uma Estratégia Nacional de Segurança da Informação (ENSI). Esse planejamento, levando em consideração a amplitude da área de proteção dos dados, será produzido em módulos, a fim de se contemplar os seguintes pontos:

  • Segurança Cibernética
  • Defesa Cibernética
  • Segurança das Infraestruturas Críticas
  • Segurança da Informação Sigilosa
  • Proteção Contra Vazamento de Dados

Com o objetivo de melhorar tanto a segurança quanto a robustez das infraestruturas críticas e serviços públicos nacionais, foi elaborado um diagnóstico, a partir da análise de estratégias correlatas adotadas em outros países, do real nível de proteção do Brasil. Então, foram estabelecidos alguns objetivos e ações estratégicas para as áreas consideradas mais relevantes para o país. A E-Ciber busca convergir e alinhar os esforços produzidos no setor de segurança ao longo de todo o território, bem como normatizar a percepção sobre a real importância do tema, para gerar uma condição ideal de crescimento econômico e/ou desenvolvimento social.

O Governo Federal, com o objetivo de fortalecer a consciência sobre esse tema, está incentivando a discussão de alternativas que possam ser incorporadas à Estratégia Nacional de Segurança Cibernética. O documento atual e o espaço citado podem ser conferidos, na íntegra, no portal Participa.br.