Polícia francesa quer bloqueio de Redes Wi-Fi gratuitas

art-11-dezApós os ataques terroristas de 13 de novembro em Paris, o parlamento francês decretou estado de emergência durante 3 meses em todo país. Para quem não se recorda, os ataques foram orquestrados pelo grupo extremista Estado Islâmico. A partir daí, as autoridades da França tomaram uma série de medidas para conter possíveis novos atentados, que vão desde o aumento do contingente policial nas ruas, até a liberdade para revista de estabelecimentos suspeitos – sem necessidade de mandato – caso haja necessidade.

Mas tudo indica que as autoridades também querem um controle mais rigoroso em relação a vida digital das pessoas. O grupo terrorista ISIS (Islamic State of Iraq and Syria) ficou famoso por utilizar ferramentas conhecidas como Telegram, e também a rede anônima Tor – na Deep Web. E é exatamente esta rede que a polícia deseja bloquear ou proibir de vez. No mês passado os terroristas criaram um “mirror” do site deles justamente na rede Tor, após a página passar por diversos domínios, e ficar offline na Internet comum.

2014-04-24-dia-mundial-da-internet-segura_g
O outro lado da moeda

A questão é que a rede anônima Tor também ajuda ativistas de países sob regimes totalitários. Embora seja bastante usada por criminosos (traficantes, terroristas, etc), ela ao mesmo tempo tem sido uma poderosa aliada para esse público, na luta por Direitos Humanos.

Restrição de Wi-Fi públicos

Outra medida polêmica seria a proposta de proibição do uso de Redes Wi-Fi gratuitas. De acordo com o jornal Le Monde, a medida poderia começar a valer em Janeiro de 2016.

Sem sombra de dúvidas, mais uma vez o uso frequente de criptografia na web voltará a ser criticado pelas autoridades mundiais, que têm encontrando cada vez mais barreiras para evitar ataques terroristas, como o do último dia 13 de novembro, na França.

Fonte (em francês): link