CNPE aprova diretrizes sobre segurança cibernética no setor elétrico

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou, em reunião realizada nesta quarta-feira (20/10), as Diretrizes sobre Segurança Cibernética no Setor Elétrico. A proposta considera aspectos de prevenção, tratamento, resposta e resiliência do setor elétrico, bem como diretrizes centralizadas em processos, capacitação de pessoas e tecnologias voltadas à segurança cibernética. A medida cumpre o estabelecido na Resolução CNPE nº 01/2021.

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou, em reunião realizada nesta quarta-feira (20/10), as Diretrizes sobre Segurança Cibernética no Setor Elétrico. A proposta considera aspectos de prevenção, tratamento, resposta e resiliência do setor elétrico, bem como diretrizes centralizadas em processos, capacitação de pessoas e tecnologias voltadas à segurança cibernética. A medida cumpre o estabelecido na Resolução CNPE nº 01/2021.

Após ouvir diversos especialistas, o grupo de trabalho criado para analisar o tema considerou que a “segurança cibernética” carece de mais atenção das instituições, empresas e agentes, assim como de estímulos para conscientização da importância de adotar melhores práticas para proteção e continuidade dos serviços prestados no setor elétrico.

O grupo também considerou que é fundamental que o setor elétrico avalie a segurança cibernética como um investimento. Segundo a análise, um ambiente cibernético seguro permite ganhos operacionais por meio de tecnologias que habilitam a operação remota e a coleta de dados, gerando redução de custos com manutenção.

Também foi destacado que novas tecnologias habilitadas por um espaço cibernético seguro vão ao encontro de melhores índices de qualidade dos serviços prestados de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica à sociedade.

Fonte: www.gov.br

Posts relacionados: ONS – Nova rotina de Cibersegurança para o setor elétrico / TI Safe lança plataforma de inteligência e monitoramento de segurança cibernética para o setor de energia e Modelo de Maturidade de Capacidade de Cibersegurança (C2M2)