Novo vazamento de dados através do PIX – Saiba como se proteger

Foi divulgado recentemente pelo Banco Central (BC) que 160 mil brasileiros tiveram seus dados de chave PIX vazados. O ocorrido foi comentado por diversos profissionais do setor de segurança e direito. golpes

Foi divulgado recentemente pelo Banco Central (BC) que 160 mil brasileiros tiveram seus dados de chave PIX vazados. O ocorrido foi comentado por diversos profissionais do setor de segurança e direito.

De acordo com o BC, o vazamento dos dados envolviam nome do usuário, CPF, instituição de relacionamento, número da agência e conta. Além disso, segundo levantamento do portal UOL em conjunto com o Banco Central essa falha atingiu, além dos 160 mil dados, cerca de 300 instituições que trabalham com o PIX. 

Não é a primeira vez que chaves PIX são vazadas por descuido ou algum incidente com as empresas responsáveis por guardar esses dados. Em setembro do ano passado, informações cadastrais vinculadas a 414 mil pessoas vazaram do Banco do Estado de Sergipe (Banese).

A consequência desse tipo de vazamento é que os dados podem ir parar na mão de cibercriminosos. Ao cruzar esses dados com outros vazamentos antigos, bandidos podem invadir mais facilmente sua conta bancária ou implementar golpes de phishing mais elaborados.

Especialistas afirmam que, para evitar este tipo de vazamento de chave ou informações pessoais é necessário ser cauteloso para não se cadastrar em sites suspeitos, ou até mesmo postar publicamente algum tipo de dado pessoal em redes sociais.

Caso sua chave tenha sido exposta, é recomendado atenção com golpes. Quando ocorre a exposição da sua chave PIX, os criminosos podem lhe enxergar como um alvo mais facilmente, então nunca informe seus dados pessoais em ligações ou mensagens suspeitas.

Foi divulgado recentemente pelo Banco Central (BC) que 160 mil brasileiros tiveram seus dados de chave PIX vazados. O ocorrido foi comentado por diversos profissionais do setor de segurança e direito. golpes

Os cibercriminosos utilizam de SMS, aplicativos de mensagens como o WhatsApp, ligações telefônicas e redes sociais para tentarem aplicar o roubo. Muitas vezes eles tentam se passar por outras pessoas, como familiares ou prestadores de serviços, e em algumas ocasiões tentam lhe convencer dizendo que sabem algumas de suas informações pessoais (CPF, RG, etc…) para extorquir seus dados confidenciais.

Algo que poucas pessoas sabem é que os seus dados pessoais, apesar de sensíveis, podem ser facilmente identificados pelos atacantes, pois provavelmente houve algum vazamento que expôs tais dados. No entanto não se apavore quando algum criminoso cita o seu CPF, por exemplo. Apenas lembre-se de nunca informar os seus dados bancários, senhas e informações extremamente confidenciais.

De acordo com o advogado Nagib Barakat, especialista em direito digital, é possível exigir legalmente uma indenização pelo vazamento dos dados. Mas ele alerta que a Justiça tende a dar mais razão para vítimas de vazamentos que tiveram os dados usados em alguma fraude bancária.

“Desde que você tenha suportado algum dano decorrente daquele vazamento e o banco não tomou os cuidados necessários de acordo com a política de segurança do Banco Central, nem está de acordo com a LGPD, você tem a possibilidade de buscar uma indenização”, diz. “Mas sempre vinculada à extensão do dano que você sofreu”, complementa.

Confira nosso post sobre o que fazer caso o seu celular seja roubado: [Artigo] O que fazer se o seu celular ou smartphone for roubado ou perdido – Proteja seus dados

Fonte: www.uol.com.br

Posts relacionados: Invasores têm como alvo o sistema de pagamento PIX para drenar contas bancárias de usuários / Cuidado com novos golpes utilizando o PIX e Banco Central endurece regras do PIX para reforçar poder de fiscalização